Uncategorized

EM 10 ANOS MERCADO MUNICIPAL DE ALMENARA/MG AINDA NÃO FICOU PRONTO

Terreno teria sido invadido pela prefeitura

No dia 02 de Junho a reportagem do Folha dos Vales visitou D.Maria do Rosário Alves Ferraz em Almenara-MG. Ela e seus filhos são proprietários do terreno invadido pela Prefeitura de Almenara ainda na gestão do médico Dr.Manoel Francisco para ser instalado um anexo do nosso Mercado Central.
Na ocasião da invasão alegaram urgência para a apropriação do terreno, mas já se passaram 10 anos e a situação não se resolve.
A Prefeitura de Almenara nunca finalizou o pagamento, o terreno continua em posse da Prefeitura, chegaram a iniciar construções precárias, mas para ser ocupado definitivamente, cabem algumas medidas jurídicas, afirmou D. Maria do Rosário.
– “Todos sabem que em época de campanha politica, o mercado sempre é usado e se transforma numa GALINHA DOS OVOS DE OURO de alguns candidatos MANIPULADORES”, enfatizou D.Maria do Rosário.



Confiram a entrevista na íntegra

D. Maria do Rosário em entrevista ao Jornal Folha dos Vales

FV: Senhora Maria do Rosário tivemos a satisfação de saber que, finalmente, o novo mercado vai ser entregue à população barraqueira, pois chegou uma verba anunciada pela atual representante municipal. Isto é verdade?

MR: Meu filho, eu acredito em Papai Noel, pois todo ano ganho um presente de Natal.

FV: Mas a prefeitura de Almenara já pagou o terreno à família?

MR: Não! Até agora não, só foi efetuado um depósito inicial.

FV: E como podem os barraqueiros ocuparem este terreno?

MR: A Prefeitura está na posse no imóvel, desde o decreto inicial concedido por ocasião da invasão sob alegação de urgência. Já se passaram 10 anos! Construir é possível mas não a ocupação. Para mim significa desperdício do dinheiro público além da ilusão e da frustração dos barraqueiros que esperaram por tantos anos uma solução definitiva.

FV: Houve alguma manobra política usando o mercado?

MR: Sem sombra de dúvidas a própria invasão do terreno já foi manobra política, além do mais todos sabem que época eleitoral o mercado é sempre usado como manobra e se transforma num tipo de GALINHA DOS OVOS DE OURO de alguns candidatos.

FV: Como está o processo?

MR: O terreno pertence a mim, meus filhos Vitório e Lúcia de Fátima. Já temos uma sentença julgada pelo ministro José de Castro Meira do Supremo Tribunal de Justiça, aplicando sobre a primeira avaliação juros compensatórios, moratórias e correção monetária. A sentença é clara. Não cabe recursos e nem suspensão.

Quem quiser mais detalhes procure os editais, expostos no Fórum de Almenara. Infelizmente a Prefeita resiste e se esquiva em acatar a sentença sempre pedindo outras perícias, avaliações numa clara manobra de ganhar tempo e iludir a população.

FV: A senhora poderia adiantar algum valor?

MR: Não posso. Cada dia o valor é corrigido. Quando mais demorar a divida só faz aumentar. Por isso acatei a sentença. Melhor para mim não haveria. É como se fosse uma poupança. O ministro com certeza deve ter uma mãe viúva!

FV: E se os barraqueiros atuais tomarem conta dos Boxes?

MR: Os advogados da prefeitura são sabidos, mas não entendidos do assunto, ao que parece. Não pretendo usar a violência de um mandado de segurança por exemplo, mas não me esqueço de uma chuva que passei com uma verdadeira cachoeira na cabeça de água vinda da lona de uma barraca daquelas. Sou, portanto conhecedora e sensível a ás dificuldades atravessadas pelos trabalhadores mas em sendo necessário tomaremos medidas jurídicas cabíveis, que vão desde uma retenção de verbas até à reversão do imóvel, exclusivamente pela inadimplência da Prefeitura de Almenara.

FV: E seu esposo, excelente advogado que era, por que não reagiu na época?

MR: Na época da invasão estávamos internados no PRONTOCOR, ele com uma bomba de heparina na veia, tratando de coágulos no sangue.  Perdemos prazos importantes, minha família morava na Bahia e os familiares do meu marido eram partidários  do prefeito da época e pouco se interessaram. Finalmente vamos suprir a decepção e perdas morais com o dinheiro.

FV: O dinheiro apaga um pouco, não é mesmo?

MR: Não! Não apaga e não trás felicidade. O dinheiro acalma os nervos e cala as bocas. ESTAMOS VIVENDO SEM ELE!

FV: Qual recado que mandaria ao futuro prefeito ou prefeita?

MR: Que entre pela porta da frente, já que pelo porão só entram os animais peçonhentos. Façam tudo à luz da verdade e justiça, respeitem as viúvas e os órfãos!

FV: A senhora deseja falar alguma coisa mais?

MR: Sim. Tenho várias roupas com a estampa de oncinha, minha preferida no MUNDO FAKE. Estou louca para usá-las, mas, como vestir pele de onça com esta mulher ainda no poder (e cantou) Eu vim de lá, eu vim de lá pequenininho, há! Eu vim de lá pequenininhos, alguém me avisou para pisar neste chão devagarzinho (Bis). Beijos! Noblesse Oblige!

FV: Muito obrigado pelos esclarecimentos a população e pode contar com este veiculo de comunicação sempre que for necessário.

FONTE: FOLHA DOS VALES

Para o Topo
error: Content is protected !!