Uncategorized

HOMEM AMEAÇA EXPLODIR BOMBAS EM CORONEL MURTA/MG

Viaturas da PM e SAMU permaneceram no local, mas o garimpeiro não foi preso (Foto: Saulo Murta)

Durante toda a madrugada de sábado e início da manhã foi grande a movimentação na cidade de Coronel Murta, no Vale do Jequitinhonha. Um garimpeiro ameaçou explodir duas bombas caseiras, a partir da casa dele, no bairro Itaporé.

O caso mobilizou equipes da Policia Militar (GATE) e SAMU.

O homem, que mora sozinho, enfrentou uma guarnição da PM que tentou negociar a rendição dele. “Fomos recebidos à bala”, disse um policial. Diante do impasse, a Polícia Militar solicitou reforços do GATE (Grupo de Ações Táticas) de Teófilo Otoni, mas o homem não se rendeu.
Por medidas de segurança, a Polícia Militar determinou que todos os moradores vizinhos saíssem de suas casas.
“Se ele detonasse as bombas todas as casas vizinhas seriam atingidas”, disse uma vizinha do garimpeiro.
Familiares dele foram chamados para ajudar na negociação. Com medo de ser assassinado o homem não quis se entregar.
Agentes municipais da área de saúde requisitaram tranquilizantes para o homem que resistiu ao atendimento.
De acordo com informações colhidas pela reportagem, o garimpeiro, conhecido por João de Maria Coroa, sofre de transtornos mentais. “Há mais de três meses que ele não fala coisa com coisa. Diz que está sendo seguido e que vão envenenar a água que ele bebe”, contou um garimpeiro .
“Ele sempre viveu isolado”, revelou o agricultor Aguinaldo Loyola.
  
A Polícia não apreendeu a garrucha, nem as duas bombas caseiras e nem o facão que estão com o garimpeiro. “Preferimos nos retirar do local para que ele se acalmasse e com isso evitar uma tragédia, com a reação dele”, disse um policial.
O garimpeiro abriu a casa dele, no final da tarde de sábado. Não havia nenhum policiamento nas imediações. Ele conversou com alguns amigos e depois fechou a casa.
“Ele saiu tranquilamente e foi para a beira do rio”, contou uma vizinha. “É um homem bom e trabalhador. Ele tem problemas de depressão”, revelou uma amiga do garimpeiro.
“Estamos com medo. Não sabemos qual a reação que ele vai ter. As autoridades precisam tomar providências. Ele precisa de ajuda”, disse uma outra vizinha.
A polícia ainda não deteve o garimpeiro. Nenhuma autoridade da área da  saúde municipal esteve no local no final da tarde.

FONTE: GAZETA DE ARAÇUAÍ

Para o Topo