Uncategorized

PROGRAMA DE COMBATE À HIPERTENSÃO MELHORA A VIDA NOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI

Por dia, 140 pacientes portadores de hipertensão, diabetes e doença renal são atendidas no Centro

O Centro Hiperdia Minas, que oferece atendimento a pacientes com hipertensão e diabetes, foi inaugurado na cidade de Jequitinhonha, no Vale do Jequitinhonha, em 2010.  Ele atende, por dia, 140 pacientes de 25 cidades das microrregiões de saúde de Almenara, Pedra Azul e Itaobim. O foco é o atendimento aos portadores de hipertensão, diabetes e doença renal crônica e as cidades de Diamantina, também no Vale do Jequitinhonha, e Teófilo Otoni, no Mucuri, também contam com o serviço.
De acordo com a coordenadora do Centro Hiperdia em Jequitinhonha, Viviani Furini, o primeiro passo para o tratamento são as orientações que os pacientes recebem sobre alimentação e mudança no estilo de vida. Só depois disso é que eles são encaminhados aos especialistas, entre eles cardiologistas, nefrologistas e oftalmologistas. Viviani conta que “antes da implantação do Hiperdia os pacientes precisavam ir até Teófilo Otoni, a 280 Km de Jequitinhonha, para fazer um simples teste ergométrico. Em casos de um exames mais complexos o jeito era ir até Belo Horizonte”. 
Hoje, segundo a coordenadora, os pacientes do Centro têm acesso a exames como holter, ecocardiograma, retinografia, fotocoagulação à laser, mapa para monitorização da pressão arterial, entre outros, e são assistidos por equipe multidisciplinar composta de médicos, psicólogos, fisioterapeutas, enfermeiros, nutricionistas e assistentes sociais. “A qualidade de vida dos pacientes do Hiperdia melhorou muito, nestes quatro anos de funcionamento”, afirma Viviani.
É o caso da dona de casa, Judith Soares Bertoldo de 73 anos, moradora de Santo Antônio do Jacinto, cidade a 150 km de Jequitinhonha. Portadora de hipertensão há 10 anos, ela recebe atendimento no Centro Hiperdia de Jequitinhonha desde 2013. Antes o tratamento era realizado em Belo Horizonte. “Agora me sinto bem melhor. Aprendi a evitar sal e gordura, estou mais tranquila e feliz e também mais disposta. Voltei até a trabalhar na roça”, comenta.        

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

No último sábado (26), foi comemorado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial e os Centros Hiperdia se mobilizaram para informar à população sobre os riscos da doença. Em Teófilo Otoni, a unidade desenvolveu ação na praça da cidade e realizou palestras educativas no Centro Hiperdia. Inaugurado em julho de 2013, o local atende a 32 cidades do Vale do Mucuri. Cerca de 700 pacientes já passaram pelo tratamento no Centro de Teófilo Otoni.
Segundo o coordenador Daniel de Azevedo Teixeira, a grande vantagem é a consulta diferenciada. “O paciente passa por uma equipe multidisciplinar, ele não recebe apenas o atendimento médico, mas psicológico e nutricional também. Não é tratada apenas a patologia, mas o todo, são avaliadas as condutas de vida que a pessoa tem”, explica. Ele destaca que a atuação do Hiperdia na região é fundamental. “Temos uma taxa de hipertensão considerável, 25% da população é acometida pelo alto risco da doença”, completa.  O Centro Hiperdia em Jequitinhonha também está comemorando a data e, nesta segunda-feira (28), os profissionais estão ministrando palestras educativas a cerca de 900 pacientes hipertensos.
O Centro Hiperdia integra o Programa Estadual de Atenção ao Portador de Hipertensão e Diabetes, coordenador pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). Desde que foi implantado, em 2007, já foram inauguradas 16 unidades em todo o Estado. Além de Jequitinhonha, Diamantina e Teófilo Otoni, os seguintes municípios sediam o Centro: Brasília de Minas, Pirapora, Janaúba, Itabira, Itabirito, Viçosa, Juiz de Fora, Muriaé, Patos de Minas, Patrocínio, Santa Luzia, Santo Antônio do Monte e Campo Belo. Os recursos direcionados para a implantação dos centros somam cerca de R$ 15 milhões. Mas só no ano passado foram investidos aproximadamente R$ 20 milhões de reais para a manutenção.

FONTE: AGÊNCIA MINAS

Para o Topo